SériesThe Last of Us

Maldição das adaptações de games acabará em The Last Of Us?

Uma das séries mais esperadas do ano chegou hoje na HBO Max do Brasil. Além disso, um dos assuntos mais falados com esta novidade é a tal da maldição das adaptações de games. Já que várias produções adaptadas passaram por muitas dificuldades desde a produção até após o lançamento, inclusive.

Disponível na Prime Video Nova série: Halo. Assista com uma assinatura adicional na Paramount+

Resident Evil por exemplo, foi um fracasso tanto no cinema quanto na TV. Do mesmo modo, a série da Netflix foi até cancelada após uma temporada pra lá de medíocre! Bem como o filme Assassin’s Creed de 2016 que também não se saiu tão bem quanto se esperava.

Ou seja, a gente ficaria aqui escrevendo dezenas de parágrafos trazendo vários exemplos de filmes e séries baseados em videogames que não deram muito certo. Talvez seja por isso que muitos se perguntam: a maldição das adaptações de games nunca vai terminar?

Tudo indica que vai, pelo menos é o que desejam Craig Mazin e Neil Druckmann, showrunners de The Last of Us. Ele e a torcida do Corinthians né?

Qual a expectativa dos produtores?

A dupla refletiu sobre o assunto e trabalharam com muita dedicação no processo de adaptação do game. Vale lembrar que eles têm a seu favor a história de Joel e Ellie, que é o destaque do jogo de acordo com muitos fãs da franquia.

No entanto, altas expectativas podem funcionar contra o programa. Ao passo que num painel de discussão, Mazin e Druckmann afirmaram que estão cientes do que causou o fracasso de algumas adaptações de games. A dupla ainda prometeu que estão trabalhando para quebrar essa maldição das adaptações. Assim esperamos né meus amigos?

Maldição das adaptações de games acabará em The Last Of Us?
Eles têm a seu favor a história de Joel e Ellie

Como quebrar a maldição das adaptações?

Mazin afirma que “no passado, acho que muitas decisões sobre adaptações de videogames eram feitas de forma muito cínica por pessoas que não jogavam nada”.

Ele ainda declara que este jogo é a maior história de game de todos os tempos!”. “Eles apenas recebem um pedaço de papel escrito: ‘Vendeu tantas cópias’“. “Ou, eles não adoram. Eles não respiram isso. Agora, acho que isso está começando a mudar. Neil e eu amamos e respiramos The Last of Us. Nós entendemos cada pedacinho.

Enfim, na opinião de Mazin os amantes de games deveriam se encarregar de criar as adaptações. Por sua vez, Druckmann espera quebrar a maldição das adaptações para que The Last of Us possa ser um modelo para futuras adaptações.

Espero que, mais do que tudo, esse processo seja bem-sucedido e as pessoas olhem para esse programa e digam: ‘Ah, é assim mesmo que era pra terem feito!’“.

Além disso, Druckmann disse que as pessoas erradas no comando tiram as conclusões erradas.

Os fãs apostam na história e relação dos protagonistas

Apesar da maldição das adaptações, nem todas são desastres

Embora muitas das adaptações sejam consideradas ruins, Mazin também elogiou os criadores de The Witcher, da Netflix. “A equipe que faz The Witcher ama e entende The Witcher. Melhor, vamos dizer que eles adoram!

Assistir A Guerra do Amanhã na Prime Video Assistir A Guerra do Amanhã na Prime Video

A propósito, houve um tempo que The Last of Us era para ser um filme. “Tentar condensar o game todo em duas horas sempre me pareceu que não daria certo“, observou Druckmann. “Na verdade, eu nunca poderia descobrir isso.

Felizmente, Druckmann revelou que tinha esperança de trabalhar com Mazin, e comentava: “Se eu pudesse me juntar a esse cara para contar essa história, talvez houvesse uma boa chance de fazer uma boa versão.” Estamos torcendo para que isso aconteça brother!

Mas, para a alegria de Druckmann, Mazin também estava interessado em The Last of Us. Na realidade, Mazin acreditava a chave estava no susto real ao invés dos aspectos de fantasia. “Estes não são zumbis saindo de túmulos“, disse ele. “Não existe mágica. Não há espíritos ou fantasmas. É ciência e, para mim, nada é mais assustador do que um cientista assustado.

Dos games para a TV

Por outro lado, Druckmann tem uma vantagem por ter trabalhado como diretor na TV. Por este motivo questionaram ele se era muito diferente dirigir games em comparação com a televisão. “Há um certo luxo que temos nos games quando capturamos uma performance, obtemos todos os ângulos sob o sol“, explicou Druckmann. “Não precisamos nos preocupar com a cobertura porque temos toda a cobertura do mundo.

Maldição das adaptações de games acabará em The Last Of Us?
Já está disponível na plataforma

A série estreou hoje, dia 15 de janeiro, na HBO Max.

Com informações de CBR

Vídeo novo no canal

Anderson di Aguiar

Anderson trabalha como Designer Gráfico há 21 anos e como produtor de conteúdo há 14 anos. Pai de 3 filhas, nerd de carteirinha, assiste filmes, desenhos e séries todos os dias e ama o que faz!

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo